Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chavena de Chá das Cinco

Uma chávena de chá, um prato com biscoitos e conversas intermináveis

Chavena de Chá das Cinco

Uma chávena de chá, um prato com biscoitos e conversas intermináveis

08
Jul18

O cuidado connosco próprios

Self care. Cuidarmos de nós próprios quase como se nos tratássemos como os Reis e Rainhas que somos. 

Durante grande parte da minha vida sempre achei que coisas como maquilhagem, moda ou qualquer outro tipo de conceito associado era superflúo. Para mim era algo errado porque considerava que tínhamos que nos aceitar como éramos e pronto. Hoje tenho uma opinião bastante diferente.

Claro que considero que tenhos que aceitar quem somos e como somos, mas encaro todos os conceitos de forma diferente. Para mim, usar maquilhagem no dia a dia, fazer as unhas, usar certos tipos de roupa... tudo isso se tornou algo que constrói quem somos.

Durante o meu 9º ano mudei, e com mudança refiro-me não só fisicamente, mas psicológicamente, creio que foi um período em que me reinventei por completo e comecei a preocupar-me mais com certos aspetos, nomeadamente da maneira como cuidava de mim. 

Os exemplos mais óbvios foram o facto de eu cuidar mais da minha pele, mas de ao mesmo tempo utilizar maquilhagem, de me vestir melhor e de arranjar mais o meu cabelo. Foi o ano em que passei a gostar de realmente tratar de mim e me fazer sentir... bonita...

No entanto, há cerca de um ano atrás, quando acabei por regressar às aulas, notei que me descuidei. Descuidei-me fisicamente e psicológicamente. Acanhei-me. Deixei de me arranjar, que era como um hobbie para mim porque eu adorava vestir-me bem e maquilhar-me. Eu gostava de ser diferente das miúdas da minha idade e ir além das típicas calças de ganga que estão na moda e uma t-shirt ou uma sweat. E este último ano letivo que passou... tornei-me numa delas, ainda que ligeiramente diferente.

A verdade é que me desleixei completamente. Não sei ao certo o que se passou e porque aconteceu, mas o certo é que eu deixei de ser eu, de certa forma. Não é que todas aquelas coisas não significassem nada para mim, porque significavam, mas eu não as segui e nunca cheguei a descobrir o motivo. Talvez ou por conforto ou medo de ser gozada, o que é muito estúpido.

Agora cá estou eu, a fazer este post e sem ter a mínima ideia do que estou para aqui a dizer. Sei que mudei pelos outros, com base no que passei no último ano que passou e que nunca eu própria deveria ter consentido e permitido. Mas acabou. Acabou e eu fiquei a sentir-me vazia. 

"Sou um blog vazio, sem personalização e estou à espera que alguém me personalize" foi isto que uma amiga tão sabiamente disse. E tem razão, porque eu sou isto mesmo e cabe-me a mim própria personalizar-me. Portanto cá estou eu e cá estão vocês para me acompanharem nesta "personalização".

Por fim, e ainda sem saber aquilo que disse para aqui, peço-vos que nunca permitam que alguém vos mude e vos tire aquilo que são vocês. Podem nunca mais recuperar essa pessoa.

4 comentários

Comentar post

Pesquisar

Sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D